Início Notícias Últimas Noticias Algo estranho no reino da aviação

Algo estranho no reino da aviação

Na última sexta, centenas de funcionários fizeram uma manifestação pacífica no aeroporto Santos Dumont, no Rio. O sensacionalista jornal “O Dia” colocou outdoors na linha amarela insinuando que a VARIG teria desaparecido, com dizeres que não vale a pena repetir aqui.

O governo brasileiro não se pronuncia sobre a enorme dívida que teria com a empresa desde a época do Plano Collor: seis bilhões de reais, segundo seus funcionários. Lula não se manifesta sobre o assunto e os pré-candidatos Alckmin e Garotinho não estão nem aí. Parece que há muitos “interesses” por trás da história da VARIG. O fato é que milhares de funcionários e suas famílias podem ficar na rua da amargura de uma hora para outra. E o Brasil pode ficar sem uma empresa que sempre dignificou o nome do nosso país no exterior.

Em 30 de dezembro do ano passado, escrevi meu primeiro artigo para este site, o Direto da Redação, rebatendo críticas ao trabalho da companhia. Defendo a VARIG porque acredito na justiça brasileira e tenho certeza que ela voltará a ser a grande companhia aérea que sempre foi, premiada pela IATA pela qualidade do seu serviço e apoiada pela Star Alliance, parceira há muitos anos da empresa. Eis o texto que escrevi no finalzinho do ano passado:

VARIG: QUANDO A CULTURA PESA

Fiquei absolutamente horrorizado ao ler recentemente um artigo criticando a VARIG. Criticar é válido sempre. Mas, por favor: me venham com argumentos sérios. Se me permitirem, vou em defesa desse patrimônio nacional que é a VARIG. Se o passageiro experimentou atrasos, atropelos, decolagens que não aconteceram, turbinas que enguiçaram na última hora, fica aqui somente um lembrete: o mesmo, ou pior, já me aconteceu com todas, ou quase todas as companhias aéreas do mundo, desde a Lufhansa até a Delta, desde a Singapore Airlines até a Northwest ou a Jal.

Residente em Nova York, mas trabalhando em – sei lá quantos países do mundo, eu me encontro sentado em uma poltrona de avião, pelo menos uma vez por semana. E nao é raro esbarrar em atrasos, cancelamentos sem o menor aviso prévio, tratamento frio e descaso com passageiros. As companhias européias, então, ganham prêmios como o Oscar em Acting Badly, ou seja, atuação ruim: são péssimos atores, fingem mal. Não dão informação precisa, são dissimulados, desaparecem dos balcões e pronto: fica um passageiro perguntando pro outro. Todos com cara de tacho. Mesmo tendo pago a tarifa cara de business class (ainda bem que, no meu caso, a produção local ou casa de ópera paga e não sai do meu bolso), os passageiros, alguns furiosos, deitam no chão dos corredores, dos gates dos aeroportos mais desconfortáveis do mundo, como o de Frankfurt , ou o superhiperlotado Heathrow, onde não cabe nem mais uma mosca (islâmica ou cristã) e se resignam a algum próximo anúncio feito pelo sistema de auto-falantes.

Pois esse tipo de tratamento nunca aconteceu com a VARIG. E por que? Porque o diferencial está em sua cultura. Sim, a cultura de seus comissários de bordo e do pessoal de terra é algo fascinante. Não é à toa que a VARIG consta no cancioneiro popular, na poesia brasileira e não é à toa que existe uma enorme manobra política nesse momento querendo derrubá-la. Posso ser processado por isso, mas vá lá: enquanto teve poder, José Dirceu e seus asseclas estiveram intimamente ligados à presidência da TAM. A TAM tem as cores vermelhas e “comunistas”, stalinistas (que piada!) que tanto servem ao desastroso PT nesse momento. Dirceu jurou ódio à VARIG desde um belo vôo em que não conseguiu upgrade para a business class.

Falar mal da VARIG? Falência? Depois de 11 de setembro a indústria aérea inteira está em apuros. Muitas desapareceram, como a Swissair, por exemplo. A United e a Delta (e tantas outras) estão com problemas seríssimos! Aquelas que existem, existem porque têm um governo forte (europeu) por trás, como a British Airways, que recebe libras esterlinas para superar a crise e forte investimento da Airbus. E ainda conseguem subsídio de combustível da British Petroleum.

Por favor, se quiserem criticar uma organização maravilhosa e culta como a VARIG, que falha tão raramente, pelo menos o façam com delicadeza e saibam que por trás, assim como numa boa trama de Shakespeare, existem paredes que registram, ouvem e repetem, multiplicam, delatam impostores assim como o Rei Claudius, assassino do pai de Hamlet. Por que menciono o príncipe de Elsinore que era tão bom de palavras mas não conseguia ir para a ação? Porque a VARIG é o contrário! Na época do Tsunami, que acaba de completar um ano, ela mandou um avião para levar produtos, inclusive alimentos, para os sobreviventes. E não fez alarde disso. E isso é comovente!

Na época da ditadura ela fez milagres! Mas isso fica para um outro artigo. Um artigo que Zé Dirceu e Lula deveriam saber detalhadamente porque seus companheiros foram salvos pela VARIG!

Mas, assim como em Elsinor, no mundo politico brasileiro, onde as decisões são tomadas, tudo é podre como no reino da Dinamarca.

FONTE: Site Direto da Redação (Autorizado por Eliakim Araujo) – Gerald Thomas – São Paulo/SP

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta Cancelar resposta

error: Conteúdo Protegido !!
Sair da versão mobile