Aeroporto de Bonito

Foto: Alexandre Barros

O Aeroporto do Município de Bonito dispõe de uma área patrimonial de 200 hectares, localizado a 12 quilômetros do centro da cidade, o aeroporto foi inaugurado em 2005 e conta com operações da aviação comercial regular e não regular, além de aviação geral.

Possui uma pista de 2000m x 30m asfaltada e é utilizada comercialmente pela Azul Linhas Aéreas, que opera três vezes por semana na rota Campinas – Bonito, com um Embraer 195. Em 2017 recebeu charters da Gol com um Boeing 737NG.

É um importante aeroporto que atende a uma região turística do Estado de Mato Grosso do Sul e oferece opções de voos regulares, charter’s, regionais e nacionais com classificação na categoria III pela ANAC.

A infra-estrutura instalada tem capacidade para operar aeronaves de médio e grande porte tais como Embraer 190/195, Boeing 737, Airbus 319/320.

Infraero foi contratada em novembro de 2020 para prestar serviço de medição de atrito e macro textura na pista de pousos e decolagens do Aeroporto de Bonito (MS). O contrato firmado com o Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria do Estado de Infraestrutura (Seinfra/MS), prevê a avaliação e o monitoramento do nível de aderência entre o pneu da aeronave e o pavimento a fim de garantir ainda mais segurança às operações aeroportuárias.

A execução dos serviços pela equipe de Manutenção da Infraero segue todos os critérios de segurança operacional da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que estabelece requisitos de aderência para pistas de pousos e decolagens, e vai ocorrer em até 30 dias, fora do horário de movimento do aeroporto a fim de garantir o mínimo de impactos possíveis.

No ano de 2006 a Dix firmou contrato de concessão onerosa com o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul para administrar, operar e explorar comercialmente o aeroporto do município de Bonito, fazendo parte das obrigações contratuais e elaboração de projetos, a construção de um novo terminal de passageiros – TPS com capacidade para 120 mil passageiros por ano e a implantação de uma Estação Permissionária de Telecomunicação e Tráfego Aéreo, categoria A, cujos investimentos globais foram de total responsabilidade da Empresa.

Fonte: Dix e Infraero editado por Aviação Brasil