Na crise da Avianca, Avianca Peru deixará de existir!

114
Foto: Enos Moura Filho

A Avianca (Colômbia) encerrará sua divisão no Peru e reduzirá a frota de outras empresas do grupo, como parte de sua reestruturação sob a proteção de falências do Capítulo 11.

Quatorze aeronaves são listadas como excesso, incluindo um Boeing 787-8, dois Airbus A330-300, sete Airbus A320, dois Airbus A321 e dois Airbus A319. A informação foi publicada hoje (11) no site airlineroute.

Segundo o site flightglobal.com a Avianca está solicitando voluntariamente a proteção contra falências do Capítulo 11 em um tribunal de Nova York, para dar tempo à empresa para reorganizar seus negócios.

A Avianca Holdings diz que o pedido de registro, junto ao tribunal de falências do Distrito Sul de Nova York, é “necessário”, dado o “impacto imprevisível” da crise do coronavírus em suas operações.

A Avianca Holdings é uma das 39 empresas participantes do processo conjunto, incluindo outras como Avianca Equador, Avianca Costa Rica, Tampa Cargo e Taca International Airlines.

O registro lista a Avianca Holdings como sendo 78,1% pertencente à BRW Aviation, enquanto o saldo de 21,9% pertence à Kingsland Holdings.

Entre seus cinco maiores credores garantidos está a Wilmington Savings Fund Society, com títulos acima de US$ 484 milhões. O UMB Bank está listado contra outros US$ 325 milhões, mas enfatiza que é o credor “somente em nome” e está agindo apenas em nome dos atuais titulares de crédito de longo prazo. “O crédito não representa uma dívida devida à UMB em sua capacidade individual ou corporativa”, afirma o banco.

O registro lista os 40 maiores credores quirografários, incluindo fornecedores de manutenção de motores, fabricantes de aeronaves, empresas de leasing e várias empresas de serviços de aviação.

A Avianca diz que reestruturará seu balanço e obrigações para lidar com os efeitos da crise e gerenciar seus pedidos, arrendamentos e outras responsabilidades de aeronaves.

“É importante observar que este não é um procedimento de insolvência ou liquidação”, assegura a Avianca a seus fornecedores. “Pretendemos pagar aos fornecedores em tempo hábil pelos bens e serviços fornecidos.”

A empresa acrescenta que continua conversando com o governo colombiano sobre estruturas de financiamento que proporcionariam liquidez adicional através do processo do capítulo 11. Ele diz que pretende sair da reorganização como uma companhia aérea “altamente competitiva e bem-sucedida”.

“Continuamos sendo um parceiro confiável”, insiste a Avianca. ”À medida que as restrições de viagem impostas pelo governo ao [coronavírus] são gradualmente suspensas, planejamos retomar nossos voos de passageiros e esperamos receber novamente nossos funcionários.

“Antes da pandemia global, havíamos feito um progresso significativo em nosso plano ‘Avianca 2021’ e continuamos comprometidos com nosso objetivo de conectar pessoas, famílias e empresas.”

Fonte: flightglobal.com

Deixe uma resposta