Com caso suspeito de coronavírus no seu voo, veja o que acontece se você estiver a bordo!

Sem pânico, mas muita atenção aos procedimentos

79

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, ontem (27), os procedimentos de preparação, orientação e controle para possíveis atendimentos de casos suspeitos de coronavírus em aeronaves operando no país.

As medidas que serão tomadas, segundo a Anvisa, são:

A aeronave pousa, mas não pode iniciar o desembarque.
A Anvisa aciona os órgãos responsáveis e vai a bordo em conjunto com o serviço médico e a vigilância do município do aeroporto para avaliar o paciente.
Se o médico descartar o caso a bordo, o desembarque dos passageiros é liberado.
Caso a suspeita seja mantida, o passageiro doente é removido para um hospital de referência local.
Todos os demais passageiros seguem para uma entrevista com a vigilância epidemiológica para que possam ser monitorados, caso a suspeita seja confirmada posteriormente.
A Anvisa monitora o trabalho de desinfecção da aeronave, descarte de resíduos e descarte de efluentes.

A Anvisa está transmitindo, desde sexta-feira (24), em aeroportos internacionais do país, informes sonoros em português, inglês e mandarim sobre os sintomas do coronavírus, com orientações aos passageiros e dicas para evitar a transmissão de doenças.

Confira abaixo, transcrito, o aúdio em português.

– Se você tiver febre, tosse ou dificuldade para respirar, dentro de um período de até 14 dias, após viagem para a China, você deve procurar a unidade de saúde mais próxima e informar a respeito da sua viagem;

– Para proteger sua saúde, siga medidas simples, que podem evitar a transmissão de doenças:

Lave as mãos frequentemente com água e sabão. Se não tiver água e sabão, use álcool gel;
Cubra o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar. Descarte o lenço no lixo e lave as mãos;
Evite aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;
Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
Procure o serviço de saúde mais próximo.

Fonte: Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR)

Deixe uma resposta