Início Notícias Finanças Latam informa ao TST que pretende demitir mais 1,2 mil trabalhadores

Latam informa ao TST que pretende demitir mais 1,2 mil trabalhadores

“Latam não está sendo transparente na política de demissões”, afirma especialista

Foto: Alexandre Barros

Em petição apresentada na última segunda-feira, 21/9, ao Tribunal Superior do Trabalho, a Latam Airlines Brasil informou que, para reequilíbrio de sua situação financeira, além da recente dispensa de 2.743 tripulantes, pretende demitir mais 1.200 trabalhadores, sendo aproximadamente 400 pilotos e 800 comissários.

Para a especialista em Direito do Trabalho Janaína de Santana Ramon, do escritório Crivelli Advogados, as informações fornecidas até o momento pela empresa não têm sido suficientes para justificar o alto número de demissões. “A companhia não informou seu faturamento nos últimos meses, folha de pagamento, custos e despesas, nem como ficará sua situação com o agora aprovado crédito junto à recuperação judicial americana. Portanto, faltam informações essenciais para entender como a dispensa sugerida desses 1.200 trabalhadores irá reequilibrar suas contas”, afirma.

Janaína Ramon reclama que a Latam não apresentou ainda as atas das reuniões internas que atestem que os trabalhadores que concordaram com as propostas da empresa de redução salarial tenham representatividade suficiente para contrapor a decisão da assembleia do sindicato da categoria, que havia votado contra a proposta da companhia aérea. “Vale lembrar que este pequeno núcleo de trabalhadores não é autorizado pela lei a negociar qualquer perda de direitos ou manutenção de empregos com a empresa, e menos ainda para uma redução salarial permanente”, afirma.

A advogada afirma que a pandemia está sendo usada como argumento para tornar permanente a redução de salários. “Se é certo que a pandemia vai passar e a situação irá se normalizar, os salários de seus tripulantes podem passar pelo mesmo interregno, sem que a redução seja definitiva. A prova cabal dessa possibilidade é que foi possível essa negociação com Gol e Azul, concorrentes da Latam.

Questiona-se: elas pagam salários menores? Ou se adaptaram? Não custa lembrar que cabe ao dono o risco do negócio, que não pode ser transferido aos trabalhadores”, destaca.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

error: Conteúdo Protegido !!
Sair da versão mobile