Aeroporto Internacional de Campo Grande

Aeroporto será ampliado e irá melhorar os níveis de conforto para seus usuários

4795
Foto: Infraero

A história do aeroporto começou em 1932, quando o então Ministério da Guerra criou um Núcleo de Destacamento de Aviação em Campo Grande, que servia base de apoio às aeronaves que transitavam pela região Centro-Oeste. Com a implantação do Núcleo, em 10 de março de 1934, foi inaugurada a primeira linha do Correio Aéreo de Fronteira, atendendo à região sul do antigo estado de Mato Grosso (antes da criação do Mato Grosso do Sul).

Alguns anos mais tarde, em setembro de 1945, nascia a Base Aérea de Campo Grande, conhecida como a Sentinela do Pantanal, e cinco anos depois, em 1950, se iniciaram as operações aéreas comercias.

Até 1975, o terminal era administrado pelo Ministério da Aeronáutica, por meio do extinto Departamento de Aviação Civil (DAC). A partir dessa data, o terminal passou a ser administrado pela Infraero, quando foram realizadas uma série de obras e melhorias.

O Aeroporto Internacional de Campo Grande (MS) completou no último dia 20 de janeiro de 2019, 55 anos de operações. O terminal está localizado a sete quilômetros do centro de Campo Grande, o aeroporto tem capacidade para processar 2,5 milhões de passageiros por ano e registrou, no acumulado de 2019, entre os meses de janeiro a junho, mais de 763,7 mil viajantes.

Atualmente, três companhias aéreas contam com voos a partir da cidade – Azul, Gol e Latam – que ligam Campo Grande a sete destinos nacionais: São Paulo, Guarulhos e Campinas (SP), Curitiba (PR), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Confins (MG).

A Infraero assinou uma Ordem de Serviço para o início das obras de reforma, modernização e ampliação do Aeroporto de Campo Grande (MS). Com investimentos na ordem de R$ 39,9 milhões, o escopo da obra contempla a elaboração dos projetos básicos e executivos; a reforma, ampliação e modernização do terminal de passageiros; a construção de nova Central de Utilidades, Central de Gás e Reservatórios; além da adequação das vias de acesso ao aeroporto.

O prazo para a execução dos serviços é de 18 meses a partir da assinatura do contrato. Ao fim das obras, o terminal de passageiros estará 65% maior, passando de 6.185 m² para 10.027 m²; a sala de embarque passará de 480 m² para 1.740 m²; e o saguão de 1.508 m² para 2.916 m². A capacidade do terminal passará dos atuais 2,5 milhões de passageiros por ano para 4,5 milhões. A climatização do terminal será modernizada, assim como os sanitários. Além disso, o terminal contará com projetos de sustentabilidade através do reaproveitamento da água da chuva e do sistema de climatização.

O superintendente do aeroporto, Richard Aldrin Fernandes Custodio, explica que as obras também vão ampliar as áreas comerciais do terminal e garantir mais rapidez aos passageiros e usuários. “Nossa área comercial será ampliada em quase 50%, passando de 560 m² para 842 m². E para garantir a fluidez dos viajantes, serão instalados mais três balcões de check-in e mais dois equipamentos de raio-x”, ressalta.

O presidente da Infraero, Brigadeiro Hélio Paes de Barros, avalia que com o fim das obras, que devem gerar mais de 2 mil empregos diretos e indiretos, Campo Grande terá um terminal condizente com a importância da região. “Entregaremos um aeroporto moderno e sustentável, com a cara de Campo Grande, que tem extrema relevância para a economia e para o turismo de Mato Grosso do Sul e do País”. Polo econômico e social do Estado, e principal porta para o Pantanal, a cidade também tem grande vocação para negócios, e é uma escala estratégica em relação aos países integrantes do Mercosul, assim como de grandes centros consumidores do Brasil.

Fonte: Infraero e edição Aviação Brasil