O Grupo Qantas da Austrália confirmou que encomendará 12 A350-1000, 20 A220 e 20 A321XLR. A notícia foi anunciada em uma cerimônia em Sydney com a presença do CEO do Grupo Qantas, Alan Joyce, e do Diretor Comercial da Airbus e Chefe da Airbus International, Christian Scherer.

O A350-1000 foi selecionado pela Qantas após uma avaliação conhecida como Project Sunrise e permitirá à transportadora operar os voos comerciais mais longos do mundo. Isso incluirá ligar Sydney e Melbourne com destinos como Londres e Nova York sem escalas pela primeira vez. Com layout premium, a frota A350 também será utilizada pela Qantas em outros serviços internacionais. O A350-1000 é equipado com motores Trent XWB de última geração da Rolls-Royce.

Na categoria de corredor único, o A220 e o A321XLR foram escolhidos em uma avaliação chamada Projeto Winton. A aeronave será utilizada pelo Grupo Qantas em serviços domésticos em todo o país, que podem se estender por mais de cinco horas. Além disso, o A321XLR oferece capacidade de alcance para voos da Austrália ao Sudeste Asiático, permitindo que o Grupo Qantas abra novas rotas diretas. As frotas A220 e A321XLR serão equipadas com motores Pratt & Whitney GTF.

Este acordo é um complemento ao pedido existente de 109 aeronaves da Família A320neo, que inclui o A321XLR para a subsidiária de baixo custo do Grupo Qantas, Jetstar.

O CEO do Grupo Qantas, Alan Joyce, disse: “Novos tipos de aeronaves possibilitam coisas novas. É isso que torna o anúncio de hoje tão significativo para a transportadora nacional e para um país como a Austrália, onde as viagens aéreas são cruciais. O A350 e o Project Sunrise farão com que qualquer cidade fique a apenas um voo da Austrália. É a última fronteira e a solução final para a tirania da distância.”

O A220, A321XLR e A350 são os líderes de mercado em suas respectivas categorias de tamanho. Além de oferecer os mais altos níveis de conforto aos passageiros, as aeronaves trazem uma mudança radical na eficiência, usando até 25% menos combustível, uma redução semelhante nas emissões de carbono e uma pegada de ruído 50% menor do que as aeronaves da geração anterior.

Todas as aeronaves Airbus em produção são certificadas para voar com uma mistura de 50% de combustível de aviação sustentável (SAF), com o objetivo de aumentar para 100% até 2030 .

Deixe uma resposta