South African Airways manterá apenas 5 destinos de longa distância

457
Foto: Alexandre Barros

Em uma delicada situação financeira e de sobrevivência, a South African Airways anunciou que cortará massivamente sua rede a partir de 29 de fevereiro para continuar voando.

Por enquanto, manterá apenas cinco rotas de longo curso. Entre as cidades que ainda servirá a partir de Johannesburg está o seu único destino australiano, Perth. Apenas dois destinos europeus, Londres e Frankfurt, enquanto o voo diário para Munique será interrompido.

A South African Airways também continuará voando para Nova York e Washington DC, via Accra. As duas rotas asiáticas, Guangzhou e Hong Kong, além de seu único destino sul-americano, São Paulo, também serão suspensos!

Cinco destinos africanos também serão encerrados, juntamente com quase toda a rede doméstica sul-africana, exceto Johannesburg e Cidade do Cabo.

Até o final deste mês deverá ser apresentado aos credores um plano de recuperação da companhia aérea. Outras ações no plano a seguir incluirão a “venda de ativos selecionados” e cortes de empregos. “Infelizmente, será necessário reduzir o número de funcionários”, apontaram os profissionais.

Estima-se que o valor de seus ativos restantes valha menos de um décimo da dívida acumulada. Nos últimos anos, as perdas anuais médias aumentaram quase seis vezes, de cerca de US$ 67 milhões de dólares por ano para US$ 394 milhões de dólares .

Na última década, o estado sul-africano aportou cerca de US$ 2 bilhões de dólares na transportadora nacional, que acumulou perdas de cerca de US $ 1,8 bilhão nos últimos 13 anos. Apenas para manter a companhia aérea voando, e depois de muita disputa pelo governo sul-africano sem dinheiro, outros US $ 277 milhões foram injetados no início de fevereiro.

A locação de um total de 37 aeronaves, quase toda a sua frota ativa, herda um grande risco para a companhia e para as finanças de todo o país. Um fato pouco conhecido é que todos os empréstimos são subscritos pelo governo sul-africano. “Se a SAA estiver inadimplente em um empréstimo, isso causará uma inadimplência em todos os contratos de financiamento e leasing”, apontou o jornalista de aviação sul-africano Guy Leitch.

A South African Airways existe há 86 anos como uma das grandes marcas de companhias aéreas tradicionais que costumavam ser prestigiadas e liderar o setor de companhias aéreas africanas por décadas.

Mas os dias de glória se foram há muito tempo. Devido a décadas de corrupção, interferência política e má administração por parte de líderes incompetentes, muitas vezes nomeados politicamente, a companhia aérea anteriormente orgulhosa enfrenta o abismo.

Agora é aguardar o plano de recuperação e o tempo para dizer se há ou não salvação!!

Fonte: Airlineratings com adaptações do editorial Aviação Brasil

  • Atualizado às 10:00 (errata – ao contrário do que afirmamos anteriormente, São Paulo também deixará de ser servida pela companhia aérea a partir de 29 de fevereiro de 2020.

Deixe uma resposta